Muitas pessoas que possuem alergias ou ficam constantemente gripadas ou resfriadas precisam lidar com a obstrução nasal, o entupimento dos seios nasais, das vias aéreas e uma pressão na cabeça. Esse problema não é apenas desconfortável, mas também pode afetar o sono, a produtividade e a qualidade de vida.

Os descongestionantes funcionam diminuindo o calibre dos vasos sanguíneos, aliviando a congestão causada pela dilatação dos vasos sanguíneos no nariz. A nafazolina, oximetazolina e fenilefrina são as substâncias usadas geralmente. Embora causem, inicialmente, um efeito poderoso no alívio dos sintomas, o uso contínuo do produto pode conduzir à dependência de descongestionantes nasais. Após alguns dias, os vasos sanguíneos não se alteram tanto como antes e faz-se necessário o uso maior da substância.

Os descongestionantes imitam o efeito da adrenalina, que resulta na irritabilidade, hiperatividade, nervosismo e insônia. O uso abusivo do produto provoca uma reação inflamatória na mucosa nasal, que envia uma mensagem ao cérebro de que a proteção (o muco é um sistema de defesa) não está funcionando. O cérebro entende como uma ameaça e produz ainda mais muco, com maior intensidade. Isso cria um efeito rebote, conhecido como rinite medicamentosa. O uso constante desses vasoconstritores faz com que haja uma maior tendência de criação de coágulos. Os vasos ficam ainda mais inchados e esse pode ser o primeiro passo para o desenvolvimento de uma trombose.

Para quem deseja interromper o uso de descongestionantes, é essencial lavar o nariz com soro fisiológico, inicialmente, para evitar ou aliviar a congestão. Uma alimentação saudável, livre de alérgenos e industrializados, combinada a atividades físicas, fortalece o sistema imunológico, aumenta a qualidade de vida e reduz a chance de contrair um resfriado ou uma gripe.

Caso a opção por formas naturais de alívio não seja suficiente e a necessidade do uso de descongestionantes permaneça, pode ser a hora de buscar um médico. Um alergista ou um otorrinolaringologista pode ajudá-lo(a) a determinar as causas exatas de sua congestão e pode recomendar métodos de alívio em longo prazo.


Referências:

Mozaffarian D et al. Heart disease and stroke statistics-2016 update: A report from the american heart association. Circulation. 2016;133(4):e38-360.

Naclerio R et al. Pathophysiology of nasal congestion. International Journal of General Medicine. 2010;3:47-57.

Saketkhoo K et al. Effects of drinking hot water, cold water and chicken soup on nasal mucus velocity and nasal airflow resistance. Chest. 1978;74(4):408-10.

Carretero OA et al. Essential hypertension - Part I: definition and etiology. Circulation. 2000;101(3):329-35.

Carretero OA et al. Essential hypertension - Part II: treatment. Circulation. 2000;101(4):446-53.

Johnson DA et al. The pharmacology of alpha-adrenergic descongestants. Pharmacotherapy. 1993;13(5 Pt. 2):110S-115S.

Taverner D et al. Nasal descongestants for the common cold. The Cochrane database of systematic reviews. 2007;(1):CD001953.

Horak F et al. A placebo-controlled study of the nasal decongestant effect of phenylephrine and pseudoephedrine in the Vienna Challenge Chamber. Annals of allergy, asthma & immunology: official publication of the American College of Allergy, Asthma & Immunology. 2009;102(2):116-20.

Herring C et al. Descongestant use in hypertension. US Pharmacist. 2006;7:80-88.

Pray W et al. Safe use of nasal decongestants. US Pharmacist. 2004;29(7).